Problemas mais comuns

Calvície Hereditária

É a causa mais comum da perda de cabelo, e pode ser herdada tanto do lado materno quanto do lado paterno da família. Mulheres com essa herança genética desenvolvem cabelos ralos, mas não se tornam completamente carecas.

Essa condição é chamada de alopecia androgenética e pode começar na adolescência, aos 20 ou 30 anos. Não há cura, porém existem tratamentos medicamentosos. Uma das terapêuticas  envolve a aplicação de uma loção, minoxidil, duas vezes ao dia no couro cabeludo. As regiões com menos fios podem ser disfarçadas com penteados E o transplante de cabelos pode redistribuir os fios que permaneceram.

Alopecia Areata

Doença auto-imune que pode acometer crianças e adultos de qualquer idade, e provoca a o surgimento de uma área pequena e arredondada totalmente sem cabelos, do tamanho de uma moeda ou maior. Raramente provoca a perda total dos cabelos do couro cabeludo e do corpo. O tratamento pode ser feito com medicações tópicas ou, em alguns casos, sistêmicas.

Dermatite seborréica

Também conhecida como caspa ou seborréia, a dermatite seborréica é uma infecção crônica que atinge as regiões do corpo com maior produção de óleo por parte das glândulas sebáceas. A dermatite seborréica tem a forma de lesões avermelhadas que descamam e coçam, podendo formar crostas. Dentre os fatores que desencadeiam a dermatite seborréica estão estresse, alterações hormonais, clima seco, mudanças abruptas de temperatura e aumento na quantidade dos fungos habituais do couro cabeludo.

A dermatite seborréica não tem cura, mas algumas medidas podem controlar a doença:

  • Lavar o cabelo diariamente com água morna ou fria, para remover a oleosidade;
  • Remover completamente o xampu e o condicionador;
  • Não dormir de cabelo molhado e nem colocar bonés ou chapéus com os cabelos úmidos;
  • Uso de xampus ou outros produtos que normalizem a descamação;
  • Controlar o estresse.

Queda de cabelo

A queda excessiva dos cabelos pode ser provocada por diversos fatores. A pessoa que perceber que seus cabelos estão caindo em grande quantidade depois de penteá-los ou lavá-los, ou que estes estão se tornando mais finos ou escassos deve consultar seu dermatologista. Dentre as principais causas da queda de cabelo podemos citar:

  • Pós-parto
    Após o parto, muitos fios entram na fase de repouso do ciclo. Aproximadamente 2 ou 3 meses após o parto, algumas mulheres podem notar perda mais acentuada de fios. Essa situação pode perdurar por até seis meses, mas tende a ser resolver naturalmente na maioria dos casos.
  • Febre alta, infecção grave e resfriado forte
    Entre 4 semanas e 3 meses após o desenvolvimento destes quadros, pode haver queda de cabelo que, no entanto, se corrige espontaneamente.
  • Doenças da tireóide
    Tanto o hipotireoidismo quanto o hipertireoidismo podem causar queda de cabelo. Estas alterações da tireóide podem ser diagnosticadas por exames laboratoriais. O tratamento correto das doenças da tireóide pode corrigir a perda capilar.
  • Dieta inadequada em proteína
    Algumas pessoas que fazem dietas pobres em proteínas ou têm hábitos alimentares anormais podem desenvolver desnutrição protéica. O corpo irá economizar suas proteínas fazendo com que os fios que se encontrem na fase de multiplicação passem para a fase de repouso. Passados 2 ou 3 meses, pode haver uma queda maciça dos cabelos. Devido ao enfraquecimento dos pelos, fica mais fácil arrancá-los. Essa condição pode ser prevenida e revertida com o consumo das quantidades recomendadas de proteína.
  • Medicamentos
    Algumas drogas prescritas podem causar queda temporária de cabelo. Exemplos dessas drogas incluem alguns medicamentos usados no tratamento de gota, artrite, depressão, problemas cardíacos, hipertensão arterial e anemia. O excesso de vitamina A também pode levar à queda de cabelo.
  • Tratamento oncológico
    Alguns tipos de tratamento oncológico farão com que as células responsáveis pelo crescimento dos cabelos parem de se dividir. Os cabelos começam a ficar finos e quebradiços. Isto ocorre cerca de 1 a 3 semanas após o início do tratamento. Pacientes podem chegar a perder mais de 90% dos seus cabelos. Findo o tratamento, o crescimento capilar se reinicia. Alguns pacientes optam pelo uso de perucas.
  • Uso de anticoncepcionais
    Mulheres que apresentam queda de cabelos enquanto estão em uso de pílulas anticoncepcionais geralmente apresentam tendência prévia a terem menor quantidade de cabelos. Se esta queda realmente ocorrer, a usuária deverá consultar seu ginecologista na tentativa de substituir o anticoncepcional usado. A queda de cabelo inicia-se de dois a três meses após a interrupção do anticoncepcional, podendo permanecer por mais seis meses.
  • Baixo nível de ferro no sangue
    A deficiência de ferro também pode levar à queda de cabelo. Algumas pessoas não ingerem ou não absorvem bem o ferro. Mulheres que têm período menstrual de volume ou duração prolongada também podem desenvolver esta deficiência. A detecção da redução do ferro no sangue é feita através de exames laboratoriais e pode ser corrigida pelo uso de comprimidos ou medicações que contenham a substância.
  • Grandes cirurgias e doenças crônicas
    Qualquer pessoa que se submeta a uma cirurgia de grande porte pode perceber queda dos cabelos de 1 a 3 meses após o procedimento cirúrgico. Esta condição se reverte espontaneamente em poucos meses, o que não ocorre nos casos de doenças crônicas.